0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Pouca gente entende tanto de alimentação para pacientes que se submeteram a Gastroplastias (a popular cirurgia de “redução de estômago”) do que a nutricionista Roberta Andrade. Com uma grande experiência em Nutrição, a Drª Roberta integra à equipe do Real Instituto de Cirurgia do Aparelho Digestivo – Ricad (Real Hospital Português-PE) e é nutricionista do Hospital Agamenon Magalhães.

Possuidora de um currículo de alto nível, Roberta Andrade nos concedeu esta entrevista que aborda temas como obesidade, emagrecimento, reeducação alimentar, colesterol, triglicerídeos, diabetes, McDonalds e outras coisas mais. Vale a pena conferir! (fonte)

Em geral, comemos demais, muito rapidamente e com más escolhas. Isso é verdade?
Sim. Com o corre o corre do dia a dia, se come rápido e escolhem-se mal os alimentos, consomem-se mais carboidratos e frituras e as fibras, geralmente, ficam esquecidas. Trabalho com pacientes de gastroplastia e é impressionante como estão todos viciados em  biscoitos, bolachinhas e Coca-Cola.

Consultar uma nutricionista significa “passar fome”?
Não! Significa aprender a comer através de uma reeducação alimentar.

Há, de fato, alguma verdade em dietas apropriadas para cada tipo sanguíneo, como apregoam alguns autores?
Não acredito nisso.

Quem come menos vive mais?
Acredito que sim, veja os orientais.

Em uma pessoa que pesa, por exemplo, 170 kg, é possível e viável, com dieta apropriada aliada a atividade física regular, reduzir o peso corporal para 100 ou 90 kg, mesmo que demande tempo?
É preciso muita boa vontade, mas é possível sim. Entretanto, precisa de um acompanhamento do profissional nutricionista e não deixar de lado a atividade física.

Qual(is) o(s) grande(s) vilão(ões) alimentares do aumento de colesterol sanguíneo acima dos níveis normais?
Hamburgers, salsichas, comidas de churrascaria. Trabalhei em posto de saúde por alguns anos e observei que a população de menor poder aquisitivo costuma consumir charque ou salsicha, já no desjejum e também no almoço e no jantar. É muito colesterol.

E dos triglicérides?
Doces, açúcar, refrigerante, cerveja, vida sedentária, computador e TV com certeza aumentam o triglicérides.

Que diferença há entre se alimentar de produtos integrais e produtos refinados?
Os alimentos integrais contêm mais fibras, e elas são a “vassoura” do intestino, elas mantêm o intestino em constante atividade fazendo funcionar bem e ajuda a reduzir o colesterol. A FDA (Food and Drug Administration, órgão norte-americano responsável pela avaliação e liberação de remédios e alimentos) inseriu os flocos de aveia  no hall de alimentos que previnem doenças cardiovasculares. Sendo assim, alimentos integrais trazem benefícios.

Em diabéticos tipo II (adultos) que tomam medicamentos hipoglicemiantes, que percentual poderia de deixar de tomá-los se seguissem à risca uma dieta adequada?
Um dos principais enfoques do tratamento para o diabetes tipo II é a terapia nutricional. Portanto é basicamente ajustar a ingestão diária, a fim de diminuir os níveis de glicose no sangue.A contagem de carboidrato é um bom método para tentar manter o diabete sob controle. Conforme o paciente perde peso e massa corporal, o mesmo acontece com a resistência à insulina. Sendo assim  a terapia nutricional e a medicação, devem ser constantemente reavaliadas, para assegurar níveis seguros de glicose. Muitos pacientes são mantidos sob controle com dietas.

Até que ponto é verdadeira a contaminação excessiva de agrotóxicos nas frutas, legumes e hortaliças vendidas normalmente nas feiras e supermercados?
Em maio de 2004, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) revelou que frutas e vegetais consumidos no Brasil tinham alto índice de contaminação (81,2%) por agrotóxicos, principalmente, batata, mamão, alface, banana, morango e maçã. Ou seja, estão bem contaminados.

Como ter certeza que alimentos rotulados como “orgânicos” são, de fato, livres de contaminações?
Procurar na embalagem o selo de alguma certificadora, que são instituições que avaliam a qualidade e como foram cultivados esses alimentos. Sugiro acessar o linkwww.planetaorganico.com.br .

Se você estivesse com fome na hora do almoço e fosse comer, mas só existissem as opções abaixo, qual delas escolheria: a) um acarajé de rua, b) um espetinho de carne de porta de estádio, c) um cachorro quente de praça ou um Big Mac com fritas, da McDonalds?
É complicado, mas acho que, infelizmente, eu escolheria o Big Mac, pois não gosto de comida de rua, mas se o acarajé fosse do Bargaço…

Para terminar, a fome noturna é um problema hormonal, emocional, é apenas um hábito ou tem raízes genéticas?
Alguns especialistas e estudiosos desse problema acreditam que deve haver relação entre a síndrome e o nível de stress da pessoa, além de problemas emocionais.

Onde encontrar a Drª Roberta Andrade?
Consultório Ricad (Real Instituto de Cirurgia do Aparelho Digestivo )
Av. Agamenon Magalhães, 4760 –Derby
Fone 3416-7749 / 3131-2914 / 3416-7750
e-mail: roberta.andrade@globo.com